Mapa da Violência 2012: Homicídio de mulheres no Brasil.

 

Entrando no sexto ano de vigência da lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, o governo federal e o sistema de justiça do país unem esforços para aprofundar o enfrentamento da violência contra a mulher. Dia 7 de Agosto de 2012, lembrando a data, é lançado em Brasília um Compromisso Nacional visando combater a tolerância e impunidade diante do crescimento das violências contra a mulher.

Para colaborar com esse compromisso, CEBELA e FLACSO divulgaram uma atualização do Mapa da Violência 2012: Homicídio de Mulheres no Brasil, incorporando os novos dados – de homicídios e de atendimentos via SUS, que no relatório anterior eram ainda preliminares – recentemente liberados pelo Ministério da Saúde.

Maior mudança houve no cômputo dos atendimentos do SINAN, sistema do Ministério de Saúde de notificação compulsória de violências. Nos dados preliminares utilizados no primeiro estudo, o SINAN tinha registrado 42.916 atendimentos de mulheres vítimas de violência. Já a última atualização assinala 70.285 casos, com alterações significativas para diversas Unidades da Federação.

Nos 30 anos decorridos entre 1980 e 2010 foram assassinadas no país acima de 92 mil mulheres, 43,7 mil só na última década. O número e mortes nesse período passou de 1.353 para 4.465, que representa um aumento de 230% mais que triplicando o quantitativo de mulheres vítimas de assassinato no país. Entre os homens, só 14,3% dos incidentes aconteceram na residência ou habitação. Já entre mulheres, essa proporção eleva-se para 41%. As maiores taxas de vitimização de mulheres concentra-se na faixa dos 15 aos 29 anos de idade, com preponderância para o intervalo de 20 a 29 anos, que é o que mais cresceu na década analisada. Nas idades acima dos 30 anos a tendência foi de queda.

Segundo os registros, no ano de 2011 foram atendidas acima de 13 mil mulheres vítimas de violências sexuais. As violências acontecem preferentemente nas residências das vítimas e o agressor geralmente é um amigo da vítima ou da família.

Leia também:  Mais um casal gay na novela Babilônia: Marcos Pasquim e Marcello Melo Jr.

 

Para conferir a pesquisa completa: CLIQUE AQUI

 

Written by Bianka Carbonieri
Insta: @bsapatomica | 26 anos, taurina, mora em São Paulo. Workaholic assumida, estudante e Psicologia, é viciada em café e lasagna.