A cada minuto, 300 horas de vídeos são publicadas no Youtube, site que tem mais de 1 bilhão de usuários. E boa parte desse conteúdo é incrivelmente produzido por pessoas LGBTs. Essa listinha pequena é pra indicar 4 canais que são ótimos pra toda mãe ou pai homossexual.

 

Olivia Has 2 Moms

Feito pelo casal Ebony e Denise e a filhinha linda delas, Olivia. Elas são casadas há 3 anos e começaram o canal em 2011; desde então já alcançaram mais de 64.600 inscritos e mais de 3.462.000 de visualizações.

O canal fala sobre várias coisas, tipo “Dicas da Mamãe”, que ensina como colocar os rebentinhos na cama pra dormir, como aproveitar com qualidade o tempo em família e como cuidar dos cabelinhos de crianças que tenha cabelos cacheados ou crespos. O casal também faz vídeos super legais com confissões sobre o dia a dia com as quais qualquer pai/mãe se identifica, tipo o stress quando xs filhxs ficam doentes.

 

Gay Family Values

Eles começaram em 2006, já tem mais de 35.700 inscritos e mais de 6.950.000 de visualizações.

O casal Jay e Bryan, pais adotivos de Daniel e Selena, moram na California. O canal deles é separado em algumas categorias: na “Pergunte A Família Gay”, a família toda responde perguntas enviadas nos comentários pelo pessoal que assiste, desde opiniões pessoais até como é ser parte de uma “família gay” que, inclusive, são respondidas também pelas crianças. “Adoção Gay” também é uma categoria muito legal na qual eles discutem sobre as dificuldades e processos de adoção de uma criança por casais do mesmo sexo.  

 

JiMONiC19

Esse canal é feito por Jing e Monica e foi atualizado durante todo o processo do casal em criar sua própria família, que finalmente se formou em 2014 quando nasceu Estelle. Elas escolheram a inseminação e explicam em vídeos o passo a passo e a rotina de quem passa pelo mesmo processo, desde a escolha de doador, procura de médico, até a gravidez e nascimento da bebê. Um ótimo canal pra quem tem planos parecidos. 

 

Michael and Luigi

Esses dois fofos são os pais de Logan. Eles tem, atualmente, mais 2.900 inscritos e mais de 132.200 viusalizações. Os vídeos mostram o dia a dia da família, as viagens de férias, etc. Eles também compartilham a história de como foi o processo de adoção do filhinho, como um documentário super inspirador.

 

Agora já podem correr para o YouTube e ficar com os olhinhos brilhando fazendo: “Aawwwnnn… *-*”

 

1) “Que legal! Qual é o nome dele?”

Aí você responde “É Ela. Chama Fulana” e ainda rebatem com um “Peraí, você noivou com uma mulher?” Queridx, 2015 ligou e mandou você se apressar pra alcançar ele!

 

2) “Qual de vocês vai usar o anel de noivado?”

Essa pergunta é equivalente a famosa “Quem é a mulher do relacionamento?” Vou responder que ou nenhuma usa ou as duas usam ou tanto faz porque não é da sua conta. Obrigada. De nada.

 

3) “Ela que pediu sua mão, né? Você é feminina e…”

*respiração profunda* Pare.

 

4) “Vocês podem casar de verdade?”

Infelizmente, essa pergunta incomoda por simplesmente ser “válida”, pois não é todo lugar que permite o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. E ficar jogando isso na nossa cara não é de bom tom. Anota aí.

 

5) “Mas vocês duas vão usar vestido?”

E se sim? E se não? Você nem vai ver porque não foi convidadx pra ir mesmo.

 

 

Esse post é uma reprodução do Blogueiras Negras. Para ler o conteúdo completo, clique AQUI.

Criar uma lista com 25 negras mais influentes da internet brasileira é uma tarefa prazerosa porém árdua. O motivo é simples: somos muitas e extremamente competentes naquilo que fazemos, beijo no ombro. É como se cada nome representasse na verdade outras 50 mulheres. É por isso que diremos de antemão que muita gente ficou de fora por falta de espaço, claro. Não pretendemos que esse encargo seja definitivo apesar de todo esforço para que fosse representativo.

O critério influência foi o mais importante a ser considerado, mas não somente. Quanto a audiência, pra gente tamanho não foi documento. Melhor falar para pouca gente, mas falar para as pessoas certas. Também procuramos levar em conta a ausência de marcadores como machismo, transfobia, homofobia, gordofobia, classismos entre outras manifestações. Outro detalhe que não pode ser esquecido: os nomes foram dispostos em ordem aleatória, porque do 1 ao 25 só tem fera.

E, agora, batuquemos com as #25webnegras

 

1) Luh Souza

post1

A página História Preta Fatos e Fotos é uma inspiração, por sua qualidade e singularidade. Apresenta conteúdo extremamente bem construído e diversificado, cobrindo tanto o Brasil como outros países. Perguntamos para a autora Luh Souza como tudo aconteceu: “Eu só aprendi sobre escravidão na escola, não sabia sobre Reis e Rainhas africanos, nem sabia de outras contribuições de nosso povo em outras tantas para além do trabalho gratuito. Quis, então, pesquisar algo para meus alunos que mudasse o olhar deles sobre nosso povo, sobretudo as crianças pretas.” Seus alunos agradecem. Nós também!

 

2) Jaqueline Gomes de Jesus

post2

Jaqueline Gomes de Jesus é uma mulher e intelectual poderosa. E justamente por isso inspira (e influencia) os que a acompanham sem o menor esforço. Ocupou o cargo de assessora de diversidade e apoio aos cotistas e coordenadora do Centro de Convivência Negra da UnB. É doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília. Pesquisadora do Laboratório de Trabalho, Diversidade e Identidade do Instituto de Psicologia da UnB. Nesse exato momento está envolvida em seu pós-doc. Acompanhe seu perfil no facebook e seu blog para ficar sabendo o que acontece na academia (e fora dela) quando o assunto é identidade, gênero, orientação sexual e raça/etnia.

 

3) Fernnandah Oliveira

post3

Você a Fernnandah Oliveira pelo nome de Criloura. Ela é uma das principais referências quando o assunto é mulher negra e beleza. Atua em diversas frentes, inclusive como vlogger. Fala com desenvoltura sobre os produtos da estação e empoderamento, tudo de um jeitinho direto e com linguagem bastante acessível. Conteúdo com conteúdo na medida certa.

 

4) Pretas Candangas

post4

As Pretas Candangas se descrevem em seu blog como um coletivo de mulheres negras do DF. O que elas “esqueceram’ de dizer é que são responsáveis pelo Festival da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha, que envolve ações de formação, capacitação, afro-empreendedorismo, economia criativa, cultura e comunicação, a discussão e proposição de políticas públicas para mulheres. Anotem: Ana Flávia Magalhães Pinto – Daniela Luciana Silva – Raissa Gomes – Uila Gabriela Cardoso – Juliana Cézar Nunes – Jaqueline Fernandes – Ceciliza Bezerra – Paula Balduino.

 

5) Carla Ferreira

post5

Carla Ferreira é dessas pessoas que multiplicam o pão. Ou melhor, o conhecimento. Começou querendo ficar crespa, acompanhando de perto o trabalho das Meninas Black Power. Hoje é ela quem inspira outras mulheres através do Indiretas Crespas. Um de seus superpoderes é falar o mesmo idioma de seu público.

 

Quer descobrir os outros 20 nomes que dão voz a mulher negra na internet?
Entre no POST OFICIAL DO BLOGUEIRAS NEGRAS.

Aproveita e curte elas no Facebook e segue no Twitter, por motivos de: SIM <3

 

 

Na última sexta-feira (27), foi lançada pelo prefeito Haddad o Centro de Cidadania LGBT, no Arouche, região central da capital paulista. A iniciativa é fruto de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e tem como intuito reestruturar e expandir a rede de proteção social à população LGBT.

“Nós precisamos mudar a cultura, mudar a mentalidade e mostrar que nós devemos conviver com a diversidade, pois é ela quem enriquece nossa cidade. São Paulo está dando um grande passo, que deverá ser seguido por muitos municípios. O novo centro amplia a ação e equipara a comunidade LGBT a outras camas vulneráveis, que têm centros de referência específicos, e dá um passo importante na consolidação da política pública de direitos humanos na cidade de SP”, afirmou Fernando Haddad na cerimônia de inauguração.

haddad

Localizada na região do Arouche, território simbólico da cultura LGBT, o novo equipamento da Prefeitura atenderá as vítimas de violações e funcionará como centro de referência sobre os serviços municipais voltados a esse público que, entre 2012 e 2013, teve cerca de 450 casos de violações de direitos humanos registrados na cidade.

O Centor de Cidadania LGBT vai substituir o atendimento oferecido pelo Centro de Combate à Homofobia (CCH), que funcionou no Pateo do Colégio até março de 2015. Com a reestruturação, serão 20 colaboradores envolvidos, entre psicólogos, advogados, assistentes sociais e agentes de direitos humanos. Tudo numa área de 400 metros quadrados com salas de atendimento, de reunião, auditório para realização de debates, palestras e outras atividades, e uma sala de realização de teste rápido de HIV disponível para toda a população.

Foi investido R$ 1 milhão, dos quais R$ 200 mil da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e R$ 800 mil da Prefeitura de São Paulo.

ONDE:

Rua do Arouche, 23 – 4º andar – República

FUNCIONAMENTO:

de segunda a sexta-feira, das 9h às 21h

 

 

De acordo com o Cineflix, a personagem é Moff Morts, inédita da saga que, antes de aparecer no spin-off, será apresentada no livro “Star Wars: Lords of The Sith” (previsto para lançamento em 28 de abril) e só depois apresentada no longa “Rogue One”.

Lésbica assumida, Moff é descrita como uma líder imperial “incrivelmente capaz” que cometeu muitos erros no passado e, no livro, tenta prevenir o fracasso do Império. Poderosa a garota!

“Rogue One” é o primeiro filme de uma série de aventuras que irão explorar personagens e eventos fora do núcleo central da saga Star Wars. O título é o apelido usado pelo líder do esquadrão de pilotos de elite Rogue Squadron (do universo expandido dos livros). Ou seja, foi descartado o boato que diria que o longa acompanharia o jovem Han Solo.

Em uma reunião da Disney com acionistas, vazaram informações sobre as primeiras artes conceituais do spin-off – a divulgação das imagens não foi autorizada pelo estúdio. Em tons de cinza, as artes denotam o tom sombrio do filme e indicam que as grandes cenas de ação serão noturnas.

O filme deve começar a ser rodado em Londres no meio do ano e tem lançamento previsto para 16 de dezembro de 2016.

 

Page 1 of 212