No final de 2016 eu fiz uma pesquisa online com mulheres lésbicas e bissexuais brasileiras que consomem maconha para saber mais informações sobre essa prática no meio – que parece tão comum.

 

CONFIRA AQUI A PESQUISA COMPLETA:

(ao clicar no link, pague com 1 compartilhamento para acessar)

MACONHA QUEER
MULHERES LÉSBICAS E BISSEXUAIS QUE CONSOMEM

O interesse veio do fato de que, num país onde a maconha ainda é criminalizada porém ninguém para de consumir, a falta de informação e ignorância nos deixa no escuro e acaba nos empurrando para situações de risco como a obrigação de frequentar uma biqueira ou acabar consumindo uma planta em estado de má qualidade que pode te prejudicar. Quando usamos argumentos como esses, muitas pessoas tendem a dizer que eles foram inventados e não são reais.

A maconha é conhecida nos países onde é criminalizada como uma droga, porta de entrada para outras drogas mais fortes. Geralmente ela é conhecida assim nos países onde álcool e cigarro são legalizadíssimos. Olha só a ironia: maconha já é usada no tratamento contra câncer em alguns países, já cigarros de tabaco causam câncer no mundo inteiro; mas se uma pessoa estiver fumando maconha e a outra cigarro na rua, a polícia vai enquadrar quem estiver consumindo a maconha. Também dizem por aí que a maconha – deixando as pessoas chapadas – faz com que elas percam a noção, não consigam ser produtivas no trabalho ou estudo e que até mesmo alucinam. Será que isso é verdade?

Enquanto a desinformação segue se espalhando… Mais de 1.200 mulheres responderam minha pesquisa e agora os resultados estão disponíveis para quem quiser ver. A conclusão é você quem vai tirar.

Written by Bianka Carbonieri
Insta: @bsapatomica | 26 anos, taurina, mora em São Paulo. Workaholic assumida, estudante e Psicologia, é viciada em café e lasagna.