Após ameaças, CTG que receberia casamento gay é incendiado no Rio Grande do Sul.

O CTG Sentinelas do Planalto, de Santana do Livramento, que vai sediar o casamento comunitário em que um dos casais inscritos é homoafetivo, foi incendiado no início da madrugada desta quinta-feira (11) na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo começou por volta de 0h30, e as chamas foram controladas cerca de três horas depois. A celebração do casamento está marcada para sábado (13).

Ninguém ficou ferido, mas o incêndio atingiu a parte interna da estrutura, justamente o palco, onde acontecerá o evento. A suspeita é de que tenha sido um ato criminoso. A celebração não foi cancelada. São 28 casais heterosexuais e um homoafetivo. O outro casal gay que participaria do casamento desistiu.

O patrão do CTG, Gilberto Gisler, conhecido como Xepa, que também é vereador e presidente da Câmara Municipal de Livramento, já havia informado anteriormente que estava recebendo ameaças de incêndio criminoso no local. Chegou a anunciar reforço na segurança, o que não impediu o fogo. “Se colocarem fogo lá, vamos saber quem foi”, declarou ao G1 no fim de agosto.

A ideia de celebrar a união em um CTG foi sugerida pela diretora do Foro de Livramento, juíza Carine Labres. Na decisão, a magistrada observou que o casamento homoafetivo é um direito e que a cerimônia não tem o objetivo de “afrontar valores do tradicionalismo”. A juíza ressaltou ainda que quem manifestar preconceito poderá responder criminalmente.

O presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Manoelito Savaris, diz que o local não é filiado ao MTG desde 2005. Ele foi desligado porque os integrantes da comunidade não seguiriam mais as regras do movimento.

“O MTG respeita o direito dos outros, das entidades. Mas não tem uma posição em relação ao fato, pois o CTG não é filiado ao MTG desde 2005. Caso isso acontecesse dentro de um CTG filiado, o Conselho do MTG, composto por 49 pessoas, iria se reunir para avaliar o assunto, a partir do Estatuto, Regulamento Geral, Código de Ética do MTG e Carta de Princípios”, declarou.

Também por meio de nota, a Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos do Rio Grande do Sul repudiou o que classificou como “atitude homofóbica de um pequeno grupo de pessoas”.  “Fica claro que a atitude configura-se em um crime de homofobia, pois havia um casal homossexual que participaria da cerimônia”, diz o texto assinado pela a secretária da Pasta, Juçara Dutra Vieira e a coordenadora da Diversidade Sexual, Marina Reidel.

Leia também:  The Walking Gay, uma série sobre o apocalipse da liberdade homossexual!

post

post2

Via Gay1

Written by Bianka Carbonieri

Insta: @bsapatomica | 26 anos, taurina, mora em São Paulo. Workaholic assumida, estudante de Psicologia, é viciada em café e lasagna.