destaque

Após espancar o próprio filho de 8 anos até a morte, Alex André Moraes Soeiro, de 34, foi preso na noite de terça-feira por policiais da 34ª DP (Bangu). De acordo com agentes, Alex revelou que aplicou a surra que levou a criança à morte, na segunda-feira, porque o filho não quis cortar o cabelo antes de ir para o colégio.

Ele rondava a porta do Instituto Médico-Legal (IML), que iria liberar o corpo do menino, quando a polícia o pegou. A Justiça decretou mandado de prisão temporária de 30 dias por homicídio qualificado contra ele, que foi transferido ontem para o Complexo de Gericinó, também na Zona Oeste do Rio.

Após ser pego no IML, o ‘monstro’ prestou depoimento na delegacia. Segundo a polícia, ele confessou o crime e disse que costumava bater no filho, Alex Medeiros Moraes frequentemente. O preso disse que espancava o menino para “ensiná-lo a virar homem”, porque, segundo o “pai” (que pai é esse?), o garoto gostava de dança do ventre, tinha o hábito de vestir as roupas das irmãs e gostava de lavar louça.

“Ele afirmou que o garoto era muito levado e desobediente. O crime foi cruel e cometido de forma covarde”, disse o delegado Rui Barboza, titular da 34ª DP.

A criança, que morava com a mãe, Digna Medeiros de Aquino, no Rio Grande do Norte, havia se mudado há seis meses para o Rio de Janeiro para morar com o pai. Ela conta que o filho estava desfigurado e cheio de hematomas pelo corpo. Ainda de acordo com a mãe, a criança queria conhecer o pai e a mãe permitiu que ele morasse com Alex na capital fluminense, mas quando encontrou o filho novamente se arrependeu. “Ele estava irreconhecível. Cheio de hematomas pelo corpo. Muito magro”, disse a mãe do menino.

Leia também:  Seu corpo, suas decisões! Ilustrações pra te lembrar.

O menino deu entrada na UPA da comunidade, na noite de segunda-feira, com sinais de agressão. Policiais foram acionados e, quando chegaram à unidade, a criança já estava morta. Laudo apontou que a causa do óbito foi hemorragia interna.

Fonte: R7Sidney RezendeiG Meia HoraJornal da Nova

 

É nesse momento que nos lembramos de episódios como quando o senhor Jair Bolsonaro disse que “ter filho gay é falta de porrada”. É por causa da ignorância e de pessoas como ele, que incitam todos os dias a violência, que esse tipo de atrocidade acontece.

Sentimos muito pelo ocorrido e enviamos nossas energias pra que a família desse menino e a mãe dele consigam um dia encontrar paz e seguir adiante. E esperamos que, com mais divulgação, a justiça não permita que esse crime passe em branco e que esse ser pague pelo que fez.

Abre o olho, Brasil. A HOMOFOBIA MATA!


Written by Bianka Carbonieri
Autora do Sapatômica - 24 anos, taurina, mora em São Paulo. Workaholic assumida, ex-estudante de Relações Públicas, atual expert em Social Media. Ítalo-brasileira, é viciada em café e lasagna.