A voz dela é grossa, ela vai só de colete pra balada (sem nada por baixo), usa chapeuzinho de risca de giz, sapato oxford e tem a unha hiper curta… mas jura que beija rapazes. Não precisa nem ser tão estereotipada, às vezes o gaydar simplesmente enlouquece perto daquela amiga. O fato é que ela atende a pelo menos 5 requisitos doTop10+ Como saber se ela é do babado. Bateu uma vontade de dar aquela cutucada pra ver se ela admite pra si mesma? Aqui vão algumas dicas pra puxar a aspirante a sapatilha um pouco mais pra dentro do arco-íris.

Autora: TAINÁ PRIOSTE

 

[hr] “Já viu The L Word? Assista, você vai adorar! – Não precisa ser lésbica pra adorar The L Word, mas a série parece ter o poder de deixar quem realmente já é ainda mais gay. Quem tem tendências homossexuais acaba se entregando e já vi até algumas heterossexuais vacilando na presença da Carmen.

 

“Sabia que a menina do 1º Ano é lésbica? Vocês meio que combinam.” – Ela pode até achar a suposição absurda, mas quando deitar a cabeça no travesseiro vai reavaliar o assunto!

 

“Quais meninas da sala você faria?” – Pode ser que ela, sem pensar, fale o nome de alguma menina e confirme suas suspeitas. Esteja preparada também caso ela diga “Você”.

 

“Já foi na Bubu Lounge? De quinta-feira rola uma festa lá que é a sua cara!” – Sapatômicas paulistas entenderão hahaha

 

“Compra uma camisa xadrez, combina muito mais com você!” – Vestido? Claro que não!

 

“Por que você não trabalha na Chilli Beans? Você tem o perfil da loja!” – Em algumas lojas parece até pré-requisito, né? Trombetas do arco-íris na entrada.

 

“Já leu o Sapatômica? Tem várias dicas legais pra você!” – Também não precisa ser gay pra gostar do Sapatômica, mas é um site que aflora o triângulo rosa de qualquer um.

 

“Tenho um amiga pra te apresentar, vocês vão se dar SUUUUPER bem!” – Não esperou nem ela olhar pela fresta do armário e já tá dando uma de cúpido. Quem nunca?

 

“Vamos no show da Maria Gadu?” – Não estranha se ela souber cantar todas as músicas muito melhor do que você.

 

 

Obs: Vale lembrar que esse é um texto de humor. Ás vezes aquela menina que você jura que é lésbica realmente gosta muito de beijar rapazes. E se ela não gostar, cabe a ela descobrir sozinha!

 

 

 

Filme pornô, em geral, é uma coisa meio caricata. Mas quando esses filmes incluem ‘lésbicas’ esse ‘meio’ vira ‘totalmente’!

Sabemos bem que o publico alvo da indústria pornô são os homens. Não sei se é trágico ou engraçado pensar que alguém realmente acredite que a coisa funcione dessa forma em um relacionamento entre mulheres. Vamos listar alguns desses mitos?

 

1 – O beijo
De onde saem aquelas lambidas que as meninas dão uma na língua da outra pra simular um beijo? Alguém beija daquele jeito? Com a língua pra fora? Sem nem tocar os lábios nos da outra pessoa?

2 – Unhas
Unhas de 4cm não são muito bem-vindas em um relacionamento lésbico. Os dedos fazem parte das nossas principais ‘ferramentas de trabalho’. Unha grande machuca e incomoda a coitada da parceira.

3 – Estereótipos
Nem toda sapa é dessas mulheres loironas, de lábios siliconados e peitos enormes. Aliás, a maioria não é.

4 – Transar de salto
Na verdade transar descalça é melhor, mais seguro e mais confortável. Pode até começar a brincadeira usando salto, mas depois de alguns minutos ele vai parar do outro lado do quarto, no chão.

 5 – O intrometido
Acho que não conheço nenhum casal de lésbicas que reagiria numa boa se o jardineiro tentasse entrar na intimidade delas. Também não acho que elas pediriam pizza e convidariam o entregador pra jogar strip poker. Sapatão não quer (e não precisa) de homem no meio.

6 – Nojinho
Sexo oral não consiste na ponta da língua roçando na virilha, por favor, né?

7 – Brinquedos
Sabe aquele vibrador amigo de 27cm? Então, não é toda lésbica que curte usar. Aliás, uma minoria.

8 – Pênis psicológico
Sabe aquele momento em que a menina fica em cima da outra, sem nem encostar nela direito (não estou falando de tribadismo), como se tivesse um membro invisível na barriga dela?

9 – Gritaria
Aqueles gemidos de acordar a vizinhança não são uma regra.

10 – Delicadeza. Só que não.
Não são todas as meninas que curtem tapinhas e cusparadas nas partes íntimas. De verdade!

 

[hr]

Post da leitora Letícia S. Cardoso

[hr]

 

 

Quando você é gay, nasce com anteninhas de vinil que detectam o perigo! 

Mas, infelizmente, tem gente que vem com o gaydar quebrado. Não adianta discutir, tentar fazer a pessoa enxergar os detalhes invisíveis que você facilmente identifica… ela não tem gaydar. Simples assim.

A garota que não tem gaydar não consegue identificar outra lésbica ou bissexual pelo olhar lançado na pixxxta, pela jeito de falar, pelo leve toque, por nada. Eu, por exemplo, nunca acerto com homens gays, mas com mulheres… identifico a milhas de distância! É só aparecer no mesmo bairro que apita e, dependendo, até explode e deixa meu gaydar em cacos no chão.

Já que eu tenho essa facilidade toda, tentei me colocar na posição de alguém que está saindo do armário agora e precisa encontrar as colegas na multidão. As dicas que vocês verão agora são bem clichê, meio generalizadas, mas são fáceis de perceber e vão te ajudar!

 

[hr]

1. O CLICHÊ AINDA FUNCIONA: Cabelo curto, unhas curtas, escuta AnaCarolina-CassiaEller-AdrianaCalcanhoto-PretaGil-DanielaMercury-ZéliaDuncan, toca tudo isso no violão, usa top, tem muitas tattoos, o estilo é mais alternativinho, senta de perna aberta, não usa nada de maquiagem, não se manifesta nos debates sobre bolsas, não sabe o nome do garoto mais bonito da sala, usa cueca em vez de calcinha, só tem mulher adicionada nas redes sociais, nunca aparece com um namorado, tem beleza de panicat mas dá fora nos caras, mesmo bonitos…

Até foge um pouco dos princípios do Sapatômica, mas as lésbicas clichês existem e ninguém pode negar. A garota atende a pelo menos três itens dessa lista ou mais (ou todos)? Pode apostar!

2. A INDIFERENÇA COM OS HOMENS: Lésbica não é aquela garota que vê um homem pelado na tv e diz “Que nojo”. Essa é a amiguinha que tá no armário ou que faz a linha puritana insegura. A lésbica não se manifesta, ela não esboça uma única expressão, nenhuma linha do rosto dela se move quando os glúteos malhados do galã global pulam na tv 734 polegadas de Led. Ela é toda tédios.

3.  AS MÃOS DELA TEM VIDA PRÓPRIA: Ela pode estar conversando com a amiga sobre gastronomia, sobre ciência, o jogo de futebol de ontem, os surtos da mãe, a faculdade, o dinheiro do taxi pra ir embora, a caipirinha que tá gostosa… tanto faz. O que importa é que as mãos dela encontrarão uma conversa muita íntima em algum universo paralelo que inclua a necessidade de encostar na amiga. Ela vai pegar no cotovelo dela pra começar um assunto, ela vai colocar a mão na perna dela pra fingir que está brincando com a costura do jeans, ela vai colocar a mão na cintura toda vez que passar por ela como se não existisse espaço o suficiente e essa fosse a forma de ela dizer “com licença”; se uma mexa do cabelo cair no rosto, ela vai arrumar.

4. OS LUGARES FREQUENTADOS: Toda cidade tem o núcleo gay. Aquele lugar onde os bares, baladas, botecos, lojas, galerias e calçadas são completamente gays. Claro que tem heteros que frequentam baladas gays porque acham divertidas, etc. Mas existe um limite pra isso. Se ela SÓ frequenta ambientes gays… não dá pra enganar.

5. ELA FALA O DIALETO: Nós homossexuais temos gírias próprias. Se você ainda não conhece e não usa, ainda vai usar. Dizer coisas como: Ahaza, se joga, loosho, bee, egípcia, elza, aquenda, pajubá, picumã, brejo, biscoita, sapatonice, caminhão, dyke, sapatilha, passiva, ativa, relativa, rasha, boy/girl magia, boy/girl magia negra, cêjura, uma thurman, bapho, torta de climão; trocar “x” por “sh”; e por aí vai!

6. ELA DIZ “PESSOA”: Se você quer saber se a garota é do babado, mas ela não é assumida, provavelmente ela vai se referir às ex-namoradas ou peguetes como “pessoa” ou vai fugir do assunto dizendo que é complicado.

7. ELA É ‘CAVALHEIRA’: Toda lésbica tem esse espírito cavalheiro de querer levar a bolsa, segurar o peso, dar lugar pra sentar, abrir a porta, andar no lado de fora da calçada, dar presente, elogiar, comentar que fulana cortou o cabelo e ficou bonito…

8. OS OLHOS DELA CIRCULANDO O AMBIENTE: Mulheres também ‘secam’ outras mulheres, só que de um jeito mais discreto. Repare em como ela se posiciona nos ambientes. Perceba se ela sentou na cadeira que fica de frente pra mesa da bonitinha no outro corredor ou se ela resolveu coçar a nuca virando o rosto pra esquerda bem depois que uma garota bonita passou do lado. Ela está numa sala, entra um cara pela porta e ela olha rapidamente ou nem levanta a cabeça, entra uma mulher logo em seguida e ela levanta e dá uma olhada da cabeça aos pés bem rápida. Ou ela senta bem de frente pra amiga gatxénha, conversando olho no olho, bem compenetrada. Mulheres heteros não ficam compenetradas nas amigas!

9. ELA RIU DA PIADINHA: Sabe ambiente coorporativo onde junta aquele monte de homens que fazem piadinhas bobas sobre mulheres? Não é machismo. Eles fazem isso. E sapatão também faz. Aí é que tá!! Se ela for do babado, vai entender a piada do cara e vai dar uma risadinha sem querer. Não é que mulher hetero não faça piadinha… é que não faz ESSE TIPO de piadinha.

10. ELA É BISSEXUAL: Esqueça todas essas dicas e espere ela dizer ou pergunte de uma vez. Bissexuais exigem um nível muito mais avançado de feeling e um gaydar extremamente aguçado.


+ BÔNUS STAGE:

Em último caso, faça uma piadinha de duplo sentido com o tema “dedos” e espere pela reação. Esse teste nunca falha! Haha

 

Como você identifica uma lésbica? Comente abaixo!

 

 

“Bianka do céu! Como assim Top CINCO, braseeelll?!”

Pois é! Existem mais situações chatas, desagradáveis, inesperadas e complicadas do que a gente imagina quando se trata de receber uma investida não desejada.

Pode ser uma amiga, uma colega de trabalho, uma completa estranha, uma pessoa X com quem você só conversa pela internet, uma louca que tá te stalkeando sem escrupulos, uma prima de segundo grau… Ééé… e cada uma dessas possibilidades exige um tato diferente pra sair com jeitinho.

Quer aprender? Vem com o Sapatômica, que é sucesso!

 

 

1. A AMIGA DE LONGA DATA!

Ela é sua amiga há anos, você contava seus segredinhos pra ela, já até tomaram banho ou dormiram juntas e, do nada, a abençoada resolve dizer: “Estou gostando de você”. Para de girar a Terra, eu quero descer!!!

O problema: Ela é sua amiga, sabe do que você gosta e provavelmente vai ficar tentando te agradar pra te conquistar, afinal, nesse caso o primeiro “não” nunca funciona. É… ele-fucking-nunca-funciona.

A solução: Se afastar de um amiga que gosta de você ou começar a tratá-la diferente, com restrições que não existiam antes, é muito chato e pode fazer ela pensar que você não tem nenhum carinho por ela. Distanciamento só deve acontecer num caso extremo em que ela mesma vai dizer que precisa ficar longe pra te esquecer. Nesse caso, você deve respeitar e ajudar. Caso contrário, tenha uma conversa bem franca! Sente com ela e diga: “Eu gosto muito de você, mas só como amiga. E isso não vai mudar, portanto, nada além de amizade vai rolar. Me dói saber que você está mal por alguém, mas sendo eu esse alguém, não posso permitir que você se iluda. Nada vai mudar entre nós, continuo confiando em você e tendo a mesma consideração, mas essa é minha posição final”. Não enrole, não use meias palavras. Mostre que o seu carinho continua o mesmo no dia-a-dia com seus atos, mas primeiro deixe clarissimo pra ela que não vai acontecer nem agora, nem depois. E paciência, afinal, ninguém esquece alguém assim da noite para o dia!

 

2. A STALKER!

Ela dá RT em todos os seus tweets e curte todos os seus posts no Facebook. Pede seu msn, tenta ficar puxando assunto por inbox, começa a conversar com seus amigos, te rodear por todos os lados… CHAMEM AS POLYCIASSSS!!!

O problema: Stalkers são chatas! Elas não tem semancol, então a bendita vai continuar te perseguindo mesmo depois de você claramente dar um “chega pra lá” em rede nacional.

A solução: Sabe época de escolinha, quando te colocam o primeiro apelidinho chato e sua mamãe diz “Filhinha, quanto mais atenção você der, pior fica. Ignore e eles vão parar”? Naquela época a gente não entendia do que a nossa mãe estava falando, mas alguns anos depois faz todo o sentido do mundo!

Stalkers são como crianças malcriadas que a gente diz “Não” e ela faz só de birra. Frase típica de stalker é “Eu sei que você gosta”. IGNORE!!! Mas ignore com goxxxto!!! Pratique a egípcia homericamente!!! Ela pode te mandar trezentas replies no Twitter e cobrar que você não respondeu a inbox no FB. Apenas não responda, não dê brecha, feche as portas e as janelas. Não comente nada com seus amigos, porque isso é coisinha feia e mamãe também ensinou que não pode. Só deixe ela puxar o saco dos seus amigos e continue fingindo que não vê. Ela vai encontrar outra vítima e sumir em dias!

 

3. A COLEGA DE TRABALHO

Pode ser sua chefe, a garota que trabalha no mesmo escritório, a nova estagiária, a moça do RH, seu braço direito nos freelas, sua sócia, sua cliente, seu contato… Qualquer pessoa envolvida com trabalho. E essa situação é a pior!

O problema: Sempre que envolve trabalho o negócio fica mais feio do que o normal. Por quê? Porque trabalho envolve dinheiro, envolve contatos, indicações e reputação no mercado. E ninguém pode ficar sem trabalhar o resto da vida por conta de uma miserável que sujou seu nome na praça por dor de cotovelo.

A solução: Aqui também cabe aquela dica de ignorar, só que num nível de muito mais classe. Não é um ignorar do tipo virar o rosto e continuar andando. Nessa situação você deve excluir todas as letras miúdas e insinuações com respostas simples e focando no trabalho. Se ela te convidar pra um jantar, diga que você prefere tratar de assuntos profissionais em horário comercial. Se ela disser que o assunto não é profissional, diga que você não costuma ultrapassar a linha da vida pessoal quando existe qualquer ligação profissional. Se ela disser que esse costume pode mudar, peça desculpas e diga com um sorriso aristocrático que não irá mudar. Se ela disser que em tom de brincadeirinha-com-fundinho-de-verdade que ela está cortando os laços de trabalho, responda no mesmo tom que, nesse caso, você não costuma se envolver com ex-contatos profissionais por motivos éticos. Tudo isso sempre com muita gentileza, tato, 1 metro de distância de segurança, postura firme e poucas risadas. Se ela não é do tipo direta e fica falando entrelinhas, finja que não está lendo as entrelinhas e responda o básico. “Nossa, bonita assim e solteira? Poxa!” – “Haha, pois é. Sabe o relatório? Então…”

 

4. A PRIMA DISTANTE!

Você vai naquele jantar de família, faz piada com todo mundo, dá risada, aguenta a tia chata, fica aliviada quando vê uma prima legal com quem tem condições de conversar; ela te olha de um jeito suspeito e põe a mão no seu joelho durante o papo. ALÔ, NASA???

O problema: Se você levantar surtando dizendo “Eike absurdo!!” a situação vai ficar bem desagradável pra todos os presentes. É aquele caso que você não pode contar com apoio externo porque tem que ser ‘um segredinho’.

A solução: Desculpa, gente… a solução é “Rs, hihihi, como você é engraçada”, tira delicadamente a mãozinha boba dela do seu joelho, diz que vai buscar mais vinho, levanta e fique grudada naquela tia chata o resto da tarde. Beijos.

Ah!!! Não aceita o convite no Facebook depois.

 

5. A INCOGNITA!

Você está na balada ou num bar com seus amigos, ela é amiga de um amigo ou simplesmente estava no mesmo ambiente, te achou gata e resolveu fazer um “Vem cá, minha nega!”

O problema: Você não a conhece, talvez seja até bonita, mas você não está a fim naquele momento. Ou, então, ela não faz seu tipo, você acha feia, acha abusada, fica incomodada, enfim… não dá pra estragar o clima da noite mandando fulana se tocar.

A solução: Você tem duas opções, uma educada e outra bem mal educada. A mal educada é responder a abordagem, cumprimentar, dizer seu nome, depois se virar pro lado dos seus amigos próximos e começar a conversar com eles como se nada tivesse acontecido, sem apresentá-la pra ninguém. Vai ficar chato? Vai. Mas é uma solução. Já a solução educada é apresentá-la aos amigos, dizer para ela chamar as amigas pra sentarem junto, apresentar todo mundo na mesa e continuar sua noite normalmente. Uma amizade nova não faz mal a ninguém, certo? Se ela disser que está a fim ou te convidar pra conversar num lugar mais reservado, dê um sorrisinho tímido e diga que prefere não deixar seus amigos sozinhos. Se ela avançar pro nível stalker ou tentar roubar um beijo, volte duas casas e vá de opção mal educada.

Ah… tem outra solução também: “Eu tenho namorada.”…mas se ela espalhar pro restante do bar e você pretendia encontrar alguém legal aquela noite, esquece!

Só lembre-se de uma coisa: Dizer que vai ao banheiro, dar uma sumidinha e depois voltar pra mesa como se nada fosse é o ápice da imaturidade. A garota que poderia até dar uma boa amizade vai te achar a maior babaca do mundo e todos que estavam perto vão perceber. Tenha a santa paciência, mulher!! Lide com seus problemas!!

 

 

Bom… todas as dicas aqui (exceto a primeira) se encaixam na situação de dar um fora numa pessoa que apenas tentou te xavecar. Em situações nas quais a pessoa diz estar apaixonada por você, não siga essas dicas, afinal: Não trate como ‘blogzinho’ quem te trata como Sapatômica, okay? haha

 

 

Como você reage quando recebe uma investida não desejada? Comente!

 

 

A grande maioria de nós sabe muito bem como agradar a namorada – ou a pequete – e faz isso quando, digamos, ela “está merecendo” ou quando queremos ser gentis. Também sabemos o que fazer pra deixar ela macha da vida e sem querer ver a nossa carinha por um bom tempo. Entre esses dois extremos, estão aquelas coisas que falamos e fazemos quase sem querer, no impulso ou no calor do momento e que provavelmente não imaginamos que irá ofender, mas o efeito acaba sendo exatamente esse.

Baseada em experiência própria e em relacionamentos alheios, resolvi fazer uma listinha dessas coisas que podem incomodar muito a nossa queridinha e até dar aquela balançada na relação, e que podem ser facilmente evitadas com um pouquinho de esforço e boa vontade de nossa parte.

 

 

1. Não fazer nenhum tipo de referência à outra pessoa durante o sexo.

Esse erro é bem conhecido por todas nós mas, pasmem, muita gente ainda o comete. Se tem uma coisa extremamente brochante, são comentários infelizes como: “Você é muito melhor que ela!”, “Fulana nunca fez isso desse jeito!”.  Onde você está com a cabeça pra se lembrar como a fulana faz isso ou aquilo? E mesmo que você consiga pensar em alguma outra coisa que não seja o que está acontecendo, por favor, NÃO diga! Nem antes, nem durante, nem depois. Convenhamos, isso chega a ser falta de respeito.

 

2. Não falar mal da família dela.

Essa dica é principalmente para as ocasiões em que a namorada teve uma briga daquelas em casa e está soltando fumaça só de ouvir falar o nome de alguém da família. Ela desabafa com você, que procura defendê-la, indo contra os parentes dela. Esse é o ponto: cuidado com como você fará isso, de maneira alguma aproveite o momento pra dizer como você não suporta sua cunhada ou como sua sogra é uma bruxa. Elas são a família dela, então, mais dia menos dia, tudo ficará lindo em casa e ela certamente vai lembrar das palavras que você usou e sobrará pra quem?

 

3- Não falar sobre sua intimidade com a ex.

Principalmente quando isso envolve aquela ex que você sabe que ela detesta. Pra quê você precisa comentar que fez isso ou aquilo, desse ou daquele jeito, em cima da árvore ou no telhado? Já pensou que isso pode fazer com que essa cena pouco agradável fique rondando a cabeça da atual namorada? Acredite, se ela quiser saber algum detalhe (e estiver preparada pra ouvir), ela perguntará.

 

4- Não dizer “sim” pra tudo.

Apesar disso já ter sido comentado aqui, vale a pena incluir nessa lista também. Eu sei que é difícil dizer “não” quando sua namorada faz aquela carinha mais linda do mundo te pedindo qualquer coisa que ela sabe que é impossível naquele momento, mas dar limites a uma relação é extremamente necessário para mantê-la saudável. Às vezes é gostoso fazer umas extravagâncias pra agradar a amada, mas se isso se tornar um hábito, os desejos dela serão como ordens até que você não aguente mais.

 

5. Não a comparar.

Todas nós sabemos que é bem desagradável ser comparada a qualquer pessoa, mas, invariavelmente, fazemos isso e nem percebemos. Devido à proximidade e intimidade com a namorada, ela acaba sendo a maior vítima das comparações, sejam elas pontuais ou sem grande importância. Além de irritar a sua menina, pode também deixá-la triste, pensando que você não a acha boa o bastante pra você.

 

6- Não desmerecer o que ela faz pra você.

Você chega à casa da namorada e vê que ela fez aquele lanche caprichado. Depois da primeira mordida no sanduiche, você vai logo dizendo: “O sanduiche que minha tia faz é ainda melhor que esse!”. Como assim? Você sequer pensou no tempo que ela gastou preparando tudo aquilo com carinho só pra te ver feliz? Vamos exercer a nossa fina educação e guardar esse tipo de comentário só pra nós mesmas, né?

 

7. Não cobrar o que você mesma não faz.

Se você não liga pra saber se ela chegou bem em casa, não gosta de fazer carinho e não se importa com como foi o dia dela, como você pode querer exigir que ela faça tudo isso por você? É impossível manter uma relação de via única, na qual você cobra tudo de melhor e sua namorada fica com o que sobrar, esperando você querer ou ter paciência e boa vontade… Será que ela também não merece ser bem tratada?

 

8. Não querer que ela se torne alguém perfeito.

Se você começou a namorar, imagino eu que você gostou da garota exatamente do jeito que ela é. Nunca vi alguém começar um relacionamento já pensando que se mudar isso ou aquilo na outra pessoa tudo ficará perfeito. Nós somos capazes de, com o tempo, aprender a lidar com as imperfeições das pessoas, por isso, não queira que sua amada faça tudo pra ser alguém perfeito porque ela nunca será! Pessoas perfeitas não existem.

 

9. Não tentar comprá-la.

Sem querer generalizar, isso costuma acontecer quando a pessoa foi criada em um esquema de corrigir os erros com presentes e repete isso no namoro. Por exemplo: se eu fui uma cavala com você, compro aquilo que você está louca querendo e ai fica tudo bem. Num relacionamento o diálogo é indispensável para se viver bem. Então, se você pisou na bola, faça a sua parte: reconheça o seu erro e peça desculpas, diga que vai tentar mudar e tudo mais. Claro que isso pode ser acompanhado por um agradinho, mas não se esqueça que um presente por si só não resolve nada.

 

10. Não culpá-la pelo erro alheio.

Eu sei que às vezes é difícil separar a raiva aleatória e a falta de paciência, mas isso sempre precisa ser trabalhado. Não é porque o trânsito estava um caos que você tem todo o direito de chegar em casa soltando fogo e xingando tudo o que vê. Pare e pense se o que você está fazendo é realmente certo e se sua namorada (ou qualquer outra vítima) realmente tem culpa e merece ser maltratada. Se a resposta for negativa, respire, relaxe e comece tudo de novo, com mais calma e educação (ou vai lá chutar a parede até ficar calminha, porque, né?).

 

 

Vale lembrar que cada uma aqui conhece muito bem a mulher que tem em casa, sabe do que ela gosta e o que a irrita. Então, siga seu instinto e, qualquer dúvida, converse abertamente com a namorada pra saber se está tudo bem mesmo!

 

 

Quais outras coisas você evitar fazer/dizer pra sua namorada? Comente!

 

Page 4 of 7« First...23456...Last »