Distância é realmente um karma na nossa vida?

Siga o blog no Instagram e no Twitter!

Falo com propriedade de causa – e não minha – que lésbica segue muito à regra aquele ditado que diz que “a grama do vizinho é sempre mais verde”. No dicionário lesbiteriano grama vêm do latim  “mulher”, vizinho vêm do grego “estado” e verde vêm do tupi “gostosa”. Ou seja: a mulher de outro estado é sempre mais gostosa.

Sapatinha quando nasce se esparrama pelo chão;
Sapatão que é sapatão namora só pra andar de avião!

Mas por que raios lésbica tem essa mania? Já não basta ter que ficar respondendo perguntinha idiota de hetero engraçadinho, ter que explicar de semana em semana para alguém que você ser lésbica não quer dizer que você curta um menage ou tenha sofrido um abuso sexual na infância ou, ainda que você nunca tenha tido um homem de verdade na sua vida. Já não basta a barra que você passou pra se assumir em casa, no trabalho, na faculdade ou a barra de viver fingindo que você é hetero e que essas meninas são só suas amigas… Já não basta você ter medo de andar de mãos dadas pela rua e tomar uma lampadada na cara simplesmente por existir e ser diferente. Não, não basta. Não basta você ficar sem graça ao entrar no motel com outra mulher. Não basta as perguntas dos parentes mais distantes sobre o seu namorado. Não basta todo preconceito que só quem é gay/bi sabe qual é, desde se aceitar até se assumir e tentar levar uma vida normal.

Não, não basta! Elas também querem é um amor “impossível”! Entrar no cheque especial do cartão (nossa, com esse linguajar eu acabo entregando a minha idade… rs), acumular milhas áreas, conhecer outros estados, enriquecer as operadoras de celular e bater o recorde da saudade.

Leia também:  Reality Show - The Real L Word: episódios 05 e 06

Se o cupido da distância ainda não acertou o seu coraçãozinho, sinta-se muito sortuda, de verdade! No mundo lésbico, na minha opinião, você ganhou na loteria e nem tá sabendo!

Claro que existem relacionamentos que, por incrível que pareça, funcionam melhor a distância do que perto. Mas, olha… que não é fácil, não é.

Então, você que namora à distância, repita comigo:

Rosas são vermelhas, violetas são azuis.
Uma promoção da Tam ou da Gol é tudo que eu peço a Jesus!

Brincadeiras à parte, boa sorte para quem vive um amor à distância; e fiquem tranquilas, porque como diz nosso querido Caio Fernando Abreu:  “O que tem de ser, tem muita força. Ninguém precisa se assustar com a distância, os afastamentos que acontecem. Tudo volta! E voltam mais bonitas, mais maduras, voltam quando tem de voltar, voltam quando é pra ser.”

 

[hr]

Written by Ali

Colunista – Estudante de psicologia, romântica incurável, escorpiana teimosa, vegetariana, viciada em trident e que ainda acredita em um mundo melhor (ou em largar tudo e ir vender coco na praia).