Genderqueer! O que você precisa saber sobre o gênero.

(Conteúdo escrito e enviado pela leitora Ana Flávia Lourenço)

Tire agora da sua cabeça a ideia de que o termo queer é ofensivo!

A palavra genderqueer surgiu nos anos 90 nos Estados Unidos e era usada, como hoje, para identificar pessoas não-binárias ou andróginas. Apesar de hoje ser mais utilizada pela própria comunicade LGBTIQ+, nem sempre foi assim.

Historicamente, esse termo era usado como um insulto. As gerações mais novas estão utilizando o termo como forma de protesto, mudando o que acontecia antigamente, onde queer era considerado um xingamento.

“Ser queer é seguir uma prática de vida que se
coloca contra as normas sexuais socialmente aceitas.”

A palavra passou a ser usada para que as pessoas consideradas estranhas pela sociedade ganhassem espaço social e individualidade.

Origem da palavra

Se referindo a uma pessoa homossexual, como adjetivo, o primeiro registro é de 1922 e como substantivo, 1935.

O que é genderqueer?

No meio dos anos 90, uma comunidade não-binária apareceu com um novo nome: genderqueer. Riki Anne Wilchins, ativista fundadora da GenderPAC (Gender Public Advocacy Coalition,1995-2009), começou a usar o termo genderqueer para se referir aqueles que não se encaixam em nenhum gênero imposto pela sociedade.

Foram estudos sobre feminismo e sobre transgêneros baseados nos livros The Empire Strikes Back: A Posttransexual Manifesto, de Sandy Stone e Genter Trouble , de Judith Butler, que deram origem aos estudos de pessoas genderqueer.

A autora e ativista Leslie Feinberg explicou o motivo da necessidade da criação desse gênero no livro lançado em 1992 “Transgender Liberation: A Movement Whose Time Has Come”:

“Tem outras palavras que expressam gêneros não tão comuns: travestis, transsexuais, drag queen e drag kings, cross-dressers, andróginos, dykes e outros. Nós não escolhemos esses termos. Eles não se encaixam na gente. É difícil lutar contra uma opressão sem nome que com conotação de orgulho, uma linguagem que nos honre.”

Leia também:  Será que ela é lésbica? Ela pode não ser.

Em suma, uma pessoa genderqueer é alguém que cuja identidade fica fora do sistema de dois gêneros (ou seja, homem/mulher) ou que deseja desafiá-lo; essa pessoa pode se identificar por múltiplos gêneros, uma combinação de gêneros, ou “entre” gêneros.

Genderqueer ou transgêneros?

O termo propõe ser uma alternativa mais inclusiva do que o termo transgênero.

O motivo disso é “trans” ser um termo mais aplicada a pessoas binárias, que separa aqueles que se identificam como homens ou mulheres.

Teóricos queer

Quer saber mais sobre a teoria queer? Essas pessoas maravilhosas podem te ajudar com suas obras espetaculares sobre o assunto:

  • História da Sexualidade – Michel Foucault
  • Gender Trouble – Judith Butler
  • Queer theory – Annamarie Jagose
  • No Future – Lee Edelman
  • In a Queer Time and Place: Transgender Bodies, Subcultural Lives – Judith Halberstam
  • Queer Phenomenology – Sara Ahmed

Mais: Gloria Anzaldua, Berenice Bento, Adriano de León, Lauren Berlant, Leo Bersani, Aaron Betsky e Tim Dean.

Written by Bianka Carbonieri

Insta: @bsapatomica | 26 anos, taurina, mora em São Paulo. Workaholic assumida, estudante de Psicologia, é viciada em café e lasagna.