O futebol feminino no Brasil está com os dias contados?

O clube que tem o jogador mais popular do Brasil, Neymar, anunciou nessa terça-feira, 3 de janeiro, que não fará mais investimentos na equipe feminina. Alegando custos de R$ 1,5 milhão anuais, o presidente do Santos, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, disse que não é possível continuar mantendo o time sem patrocínio, sem o interesse dos veículos de comunicação e subordinados à CBF com um calendário “absurdo”.

(A jogadora Érika na coletiva de imprensa que anunciou o fim do time feminino do Santos)

 

Faltam apenas sete meses para os Jogos Olímpicos de Londres. Oito titulares da seleção brasileira atuavam no Santos. Só pra relembrar, quatro anos atrás, nas Olimpíadas de Pequim, as meninas do futebol brasileiro conquistaram a prata; o time masculino, o bronze.

Para a FIFA, Federação Internacional de Futebol e Associados, a melhor jogadora de futebol do mundo é Marta, que já conquistou esse título por cinco vezes consecutivas – marca surpreendente que nenhum outro futebolista brasileiro alcançou tantas vezes. Marta já esteve no Santos, num contrato rápido de três meses no ano passado, para atuar em amistosos –  coisas de estratégia de marketing do clube. Entendo pouco sobre esse complexo mundo da bola, mas desde pequena ouço falar do jargão esportivo: em time que está ganhando não se mexe. Não é à tôa que mesmo sob o forte assédio dos clubes europeus, não deixam Neymar ir embora. Por quê o contrato de Marta não foi mais sólido já que público e patrocínio ela atraiu?

Na coletiva de imprensa dessa terça, o presidente do Santos convidou a atleta Érika para comentar o fechamento do time: “Ela é sensível, ela é inteligente, ela é bonita, grande atleta e talvez ela possa ser um símbolo dessa luta que a gente vai começar para o futebol feminino ser mais respeitado no Brasil”. Visivelmente emocionada, a jogadora contou que ainda não estava acreditando que o futebol feminino do Santos estava acabando.

As “Sereias da Vila”, como eram conhecidas as meninas do Santos, chegaram a posar para fotos sensuais no calendário em comemoração ao centenário do clube no ano passado (Assista o making-of completo das fotos para o calendário: http://youtu.be/V37agChgnM8). Eu, particularmente, não sabia disso, só descobri agora pesquisando sobre o time; mas que o garoto do famoso moicano do Peixe já foi capa – e Colírio – da revista Capricho eu sabia.

(Erika e Calan em ensaio para o calendário 2011 do Santos)

(Neymar, Colírio Capricho)

 

Apesar das comparações entre o futebol masculino e o feminino e seus jogadores, meu objetivo não é uma batalha sexista. Neste esporte, por que os atletas são tão idolatrados e as atletas, não? Por que até as ex-namoradas dos jogadores são mais populares do que as próprias jogadoras de futebol? Temos uma cultura machista? Sim. É possível mudar isso no esporte? Claro. A minha primeira sugestão é que aceitemos as diferenças entre homens e mulheres. Nos Estados Unidos, por exemplo, no tênis, eles jogam de bermuda, elas, de short-saia e arregimentam milhares de fãs e de dólares fora das quadras, em campanhas publicitárias. No Brasil, no vôlei, eles jogam de bermuda, elas, com um shortinho colado; os ginásios lotam e a atenção da mídia é igual para ambos. Dentro ou fora do esporte, o apelo visual é muito importante, tanto quanto talento. Um calendário sensual tem peso positivo neste processo? Sim, mas é uma ação rara e isolada. Uniformes que valorizassem as curvas femininas no gramado, por exemplo, poderiam ser mais eficazes e provocar nos espectadores uma mudança de comportamento a longo prazo. O público precisa ser impactado, ou as nossas meninas vão ter que continuar se mudando para o exterior em busca dos seus sonhos, como a jogadora Érika que está indo jogar em um time da Coreia.

Para entender melhor o que aconteceu, assista um trecho da coletiva abaixo:

 

E você? O que acha do fim das “Sereias da Vila”? Será que é o fim de uma era para o futebol feminino no Brasil? Comente abaixo, deixe sua opinião e compartilhe.

 

 

Compartilhe

17 thoughts on “O futebol feminino no Brasil está com os dias contados?

  1. primeira mente quero dar parabens pelo futebol feminino do brasil é uma pena que nois nao vamos ver mais esses talentos do futebol feninino é uma pena mesmo

  2. Assim como disse a autora do texto, eu tb não quero levantar questões de machismo/feminismo/sexismo ou qualquer coisa do tipo. Vamos para o lado esportivo: Em bem menos tempo e com muito menos apoios, a seleção feminina de futebol já fez, comparativamente, levando em consideração o tempo de atividades, muito mais do que a masculina, os homens ganharam 5 copas e tem muitos já foram premiados como melhores do mundo pela Fifa. Mas foram ganhar a 1ª copa depois de 5 edições do mundial, e depois que houve a profissionalização da então Cbd, nos anos 30 mesmo, não se podia levar profissionais pra seleção, havia uma disputa muito grande entre clubes e Confederação pra se formar uma seleção que prestasse. Essas meninas, vão lá, e em menos de 20 anos, já ganharam 2 pratas olímpicas, finais de Copas do mundo. Marta é respeitada e tida como referência internacionalmente. Então, o que falta? Acho que às vezes o que falta mesmo é visão, vontade de se livrar dessa mentalidade determinista que acha que é assim mesmo e pronto acabou. Não pode ser!

  3. O futebol feminino e o melhor que tem e querem acabar e agora o que vou assistir..

  4. Acontece que a maioria das tenistas assim como as jogadoras de volei são mulheres bonitas, femininas e atraentes, muito mais comerciais do que as jogadoras de futebol – cuja beleza física geralmente não é o maior atrativo. Aliás não concordo que deva sexualizar a coisa, não acho necessário short curto pra chamar atenção pro futebol feminino. Primeiro, porque, talvez como estratégia de marketing até funcionasse um pouco no começo, depois o povo iria cair na real que continua sendo futebol feminino e se é pra ver mulher bonita muito mais fácil ligar a tv no big brother. É uma questão cultural, nos EUA futebol não é popular, lá o legal é jogar uma “bola” em forma de ovo. Ainda nos EUA, mesmo não sendo aquele sucesso, o futebol feminino é bem mais popular que o masculino. Nada vai mudar isso, infelizmente ou não. Cada país tem seus esportes e ídolos favoritos.

  5. primeiramente nao concordo com a atitude da fifa de nao apoiar o futebol feminino no brasil.pq nao e apenas homens que jogam a marta 5 vezes a melhor do mundo nem um jogador brasileiro conseguio ate hoje.meu nome e maria tenho 14 anos e gosto muito de jogar futebol.

  6. Fiquei super triste com o final do time feminino do Santos, sou torcedora do Santos e acompanhava a equipe feminina, mas estava na cara que um dia ia acabar, porque é da cultura do brasileiro não valorizar a mulher, e o santos estava investindo sozinho em uma modalidade que nem a CBF dá valor, o calendario é ridiculo, a libertadores e o mundial tiveram que ter a data reajustada várias vezes, não há times competitivos no Brasil, não há liga nacional, o Santos trouxe a Marta para conseguir mais patrocinadores, mas ela ganha um salario maior que alguns jogadores do time masculino, patrocinio apenas não basta, tem que ter mídia, cotas de tv, quem critica o time tá na cara que não entende nada de futebol.
    e uma observação, o Santos tem uniformes especiais para as meninas, ajustados para o corpo feminino, mas é futebol, o conforto e a mobilidade tem que vir em primeiro lugar, não dá pra querer jogar de saia, top ou afins, e a gente tem que parar com isso de querer sempre valorizar a mulher pelo corpo, e apoiar esse exibicionismo, elas querem ser reconhecidas pelas grandes atletas que são, não apenas pela bunda, coxas e corpão sarado que conseguiram com o esporte. torço para que encontrem esse reconhecimento.

  7. Quem precisa de CBF? ou dos times?

    É só criar uma liga FEMININA, cadastrar o times, buscar patrocínio e fazer campeonatos, não?

  8. Tambem concordo.Com tanto desprezo do governo,dos dirigentes e da midia,tambem penso que elas devem aceitar ir para outros paises que valorisem o esforço delas.Por que o Brasil infelismente esta muito longe de valorizar o esporte feminino.Elas devem aceitar sim e ate se tornarem cidadas de outros paises e defende-los quando houver copas e olimpiadas.

  9. Eu não sou uma especialista em futebol, mas assisto aos jogos de futebol feminino. Assisti ao último jogo entre o Brasil e a Dinamarca no mês passado, em que as meninas brasileiras ganharam.
    Acredito que o futebol feminino está longe de ser valorizado aqui no Brasil. E enquanto há valorização lá fora, melhor pra elas, que elas aproveitem, mas usar shorts apertados e curtos para atrair público e assim atrair também os patrocinadores, discordo completamente, é melhor jogar lá fora onde o trabalho delas são valorizados que jogar aqui para mostrar suas pernas e bundas.

  10. Segurar o Neymar e dar salarios absurdos e a oferta ao Ganso, c/salarios tb absurdos é fácil pro Santos. Manter um time feminino de craques e campeãs é muito difícil né. Juntando com a falta de isentivo da CBF e a desvalorização na mídia, infelizmente vemos isso, o fim do futsal e futebol feminino no clube. Muito triste…

  11. É uma pena ver a valorização dada ao futebol feminino regredindo mais uma vez… é vergonhoso para a CBF ver as meninas do Brasil que tantas e tantas vezes chegam nas melhores colocações em competições onde o masculino tão supervalorizado fica pra trás, meninas que têm que trabalhar duro para sustentarem as famílias além de jogar futebol, enquanto uns moleques ganham milhões, e luxam só com a grana do futebol…
    Campeonato Brasileiro de futebol feminino.. quem já viu? Campeonatos Estaduais de futebol feminino quem viu? VERGONHA PARA O BRASIL… VERGONHA PARA A CBF…
    TRISTE.. MUITO TRISTE!!

  12. Muito triste o fim do time feminino santista. Infelizmente este é um retrato da falta de valor dada ao futebol femmino no Brasil. Enquanto em outros países (como EUA e Alemanha) existe um enorme incentivo ao futebol feminino, aqui no Brasil qualificamos o esporte como masculino e deixamos de aproveitar as excelentes atletas que possuímos. O fim das “sereias da vila” é um sintoma vergonhoso de uma cultura machista associada ao escasso incentivo ao esporte que não seja o futebol masculino de elite.

  13. ABSURDO!!! Eleições vem por aí e aí vão dizer que o esporte é uma das armas positivas do país. De fato é, desde que não matem os sonhos daqueles que praticam. Não foi só o fim de um time, pode ter sido o início do fim do futebol feminino no Brasil.

Os comentários estão desativados.