O futebol feminino no Brasil está com os dias contados?

O clube que tem o jogador mais popular do Brasil, Neymar, anunciou nessa terça-feira, 3 de janeiro, que não fará mais investimentos na equipe feminina. Alegando custos de R$ 1,5 milhão anuais, o presidente do Santos, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro, disse que não é possível continuar mantendo o time sem patrocínio, sem o interesse dos veículos de comunicação e subordinados à CBF com um calendário “absurdo”.

(A jogadora Érika na coletiva de imprensa que anunciou o fim do time feminino do Santos)

 

Faltam apenas sete meses para os Jogos Olímpicos de Londres. Oito titulares da seleção brasileira atuavam no Santos. Só pra relembrar, quatro anos atrás, nas Olimpíadas de Pequim, as meninas do futebol brasileiro conquistaram a prata; o time masculino, o bronze.

Para a FIFA, Federação Internacional de Futebol e Associados, a melhor jogadora de futebol do mundo é Marta, que já conquistou esse título por cinco vezes consecutivas – marca surpreendente que nenhum outro futebolista brasileiro alcançou tantas vezes. Marta já esteve no Santos, num contrato rápido de três meses no ano passado, para atuar em amistosos –  coisas de estratégia de marketing do clube. Entendo pouco sobre esse complexo mundo da bola, mas desde pequena ouço falar do jargão esportivo: em time que está ganhando não se mexe. Não é à tôa que mesmo sob o forte assédio dos clubes europeus, não deixam Neymar ir embora. Por quê o contrato de Marta não foi mais sólido já que público e patrocínio ela atraiu?

Na coletiva de imprensa dessa terça, o presidente do Santos convidou a atleta Érika para comentar o fechamento do time: “Ela é sensível, ela é inteligente, ela é bonita, grande atleta e talvez ela possa ser um símbolo dessa luta que a gente vai começar para o futebol feminino ser mais respeitado no Brasil”. Visivelmente emocionada, a jogadora contou que ainda não estava acreditando que o futebol feminino do Santos estava acabando.

As “Sereias da Vila”, como eram conhecidas as meninas do Santos, chegaram a posar para fotos sensuais no calendário em comemoração ao centenário do clube no ano passado (Assista o making-of completo das fotos para o calendário: http://youtu.be/V37agChgnM8). Eu, particularmente, não sabia disso, só descobri agora pesquisando sobre o time; mas que o garoto do famoso moicano do Peixe já foi capa – e Colírio – da revista Capricho eu sabia.

Leia também:  Lésbica bofinho grávida recebe comentário preconceituoso e eu morri com a resposta!

(Erika e Calan em ensaio para o calendário 2011 do Santos)

(Neymar, Colírio Capricho)

 

Apesar das comparações entre o futebol masculino e o feminino e seus jogadores, meu objetivo não é uma batalha sexista. Neste esporte, por que os atletas são tão idolatrados e as atletas, não? Por que até as ex-namoradas dos jogadores são mais populares do que as próprias jogadoras de futebol? Temos uma cultura machista? Sim. É possível mudar isso no esporte? Claro. A minha primeira sugestão é que aceitemos as diferenças entre homens e mulheres. Nos Estados Unidos, por exemplo, no tênis, eles jogam de bermuda, elas, de short-saia e arregimentam milhares de fãs e de dólares fora das quadras, em campanhas publicitárias. No Brasil, no vôlei, eles jogam de bermuda, elas, com um shortinho colado; os ginásios lotam e a atenção da mídia é igual para ambos. Dentro ou fora do esporte, o apelo visual é muito importante, tanto quanto talento. Um calendário sensual tem peso positivo neste processo? Sim, mas é uma ação rara e isolada. Uniformes que valorizassem as curvas femininas no gramado, por exemplo, poderiam ser mais eficazes e provocar nos espectadores uma mudança de comportamento a longo prazo. O público precisa ser impactado, ou as nossas meninas vão ter que continuar se mudando para o exterior em busca dos seus sonhos, como a jogadora Érika que está indo jogar em um time da Coreia.

Para entender melhor o que aconteceu, assista um trecho da coletiva abaixo:

 

E você? O que acha do fim das “Sereias da Vila”? Será que é o fim de uma era para o futebol feminino no Brasil? Comente abaixo, deixe sua opinião e compartilhe.

 

 

Written by Ma

Ma. A autora dessas linhas que você acabou de ler, entre outras coisas.