Pode Ser ou Não Ser

Dentre todas as fases que enfrentamos sendo gay, acho que uma das mais complicadas – se não a mais difícil de todas – é assumir pra si mesmo.

Somos criados com certos pré-conceitos que nos são passados desde o berço, vem com a família mesmo. E lá também criamos alguns conceitos de normal e anormal, igual e diferente, certo e errado. Um monte de besteira, né? Porque todos esses conceitos são muito subjetivos e mudam de pessoa pra pessoa, situação pra situação, etc e tal, maass tudo bem. Tudo isso que estou dizendo, alinhado com àquele padrão de menina de rosa, menino de azul, mocinhas brincando de boneca, mulher não fala palavrão, etc, nos faz formar certas definições .

A gente entra na faculdade e se depara com uma menina estilosa, descolada, que anda com um rapaz lindo e super bem arrumado, e… descobre que os dois são gays. Olha só! Eles são educados, engraçados, inteligentes… a gente aprende a respeitá-los e até acaba surgindo uma amizade. É natural aceitá-los como são. Mas quando é com nós mesmos é tão mais difícil, né?

Então, não mais que de repente, um belo dia, você se pega olhando pra uma mulher ou sentindo ciúmes daquela amiga, ou se sentindo a pessoa mais feliz do mundo quando está com aquela colega. E agora? Será que estou me sentindo atraída por uma mulher?

Ser ou não ser? E se eu for? Qual impacto que isso vai ter na minha vida? E minha família? Poderei ter uma vida normal? Vou tomar lampadada na cabeça andando pela rua sem ter feito nada?”

Calma, respira! Conta até 10, toma um copo d’água e vamos lá!

 

Em primeiro lugar: Mantenha a CALMA!

Tudo faz sentido agora: “Agora eu percebo que nunca fui muito igual as outras meninas”. Gata, não começa! Rs. Algumas coisas vão encaixar mesmo, mas calma, uma coisa de cada vez. Não é porque você gostava mais de azul que de rosa que você já era sapinha desde pequena! Sem exageros, sem grandes dramas.

Não é o fim do mundo: Não faz a Maysa com o mundo caindo não, tá tudo bem. Calma! Eu sei bem como é essa fase, são muitos pensamentos ao mesmo tempo, de desaprovação, medo, insegurança e ao mesmo tempo algumas coisas começando a fazer sentido. O que podemos dizer para ajudar? Tem muito mais pessoas do que você imagina na mesma situação que você e: deixa as coisas acontecerem. O mundo, o tempo, vai se encarregar de te mostrar se você apenas confundiu as coisas ou se realmente essa é o que você é de verdade! Tenha paciência!

 

Em segundo lugar: Tente manter a CALMA! rs

Informe –se, conheça a si própria e os demais: Procure assistir filmes com a temática gay, ler livros, assistir vídeos como os das Dedilhadas e as histórias reais do site da Angélica Morango. Informe-se do assunto. Se surgir coragem, procure algum gay para conversar; se não conhecer nenhum, vá à algum evento gls, arraste uma amiga de confiança, a irmã, enfim… e vá algum bar, balada, café, etc, com público gay. Entre em algum site com bate-papo gay, entre em contato com sites gays, entre em contato com a gente, enfim. Será muito bacana ver de perto que nós levamos uma vida normal, que essa confusão inicial passou. Apenas conversar com alguém já vai ter ajudar pelo menos a ir organizando algumas coisas dentro de você.

Dê um passo de cada vez: Não adianta se desesperar, querer desabafar se assumindo no meio da ceia de Natal para a família inteira. Dê tempo ao tempo que ele vai se encarregar de te mostrar seus reais sentimentos e vontades.

 

Em terceiro lugar: Seja feliz sendo você mesmo!

Não importa se você é hetero, gay, bi, trans, seja você mesmo, seja feliz. Não tenha vergonha de ser quem você é, não tenha vergonha de si próprio. Cada um tem a sua verdade, cada um é de um jeito. Aceite-se como você é. Aceite o amor que você tem para doar para o mundo e para as pessoas que nele vivem, sejam mulheres ou homens.

 

“O tempo vai dizer quem é quem!”

[hr]

Compartilhe

28 thoughts on “Pode Ser ou Não Ser

  1. Conheci uma garota por internet, ela mora do outro lado do país. Pois é, conversamos muito e em cerca de um ano de conversa achamos muito em comum e aprendemos a gostar muito uma da outra. Não foi difícil acabar desenvolvendo mais que amizade, loucura seria se eu não tivesse me apaixonado por ela…
    Pessoalmente não foi difícil pra mim aceitar que estava a fim, só tive muito medo de dizer isso à ela e acabar perdendo a amizade que havíamos construído. Então decidi deixar a poeira e a ansiedade baixar e ver se aquilo podia ser esquecido… Até que de repente ela me diz que está a fim de mim! Desse dia pra cá conversamos muito sobre isso, conversamos abertamente sobre tudo. Queremos muito nos encontrar e ver se essa atração toda é real mesmo ou confundimos os sentimentos. (Sim, já me assegurei de que não é um pedófilo, não sou boba a esse ponto rsrsrs)
    Enfim, eu já aceitei o fato de que provavelmente sou bi. Desde pequena me sentia um pouco diferente das outras garotas mesmo achando alguns carinhas bonitinhos e tudo mais… Mas, sinceramente, eu nunca havia sentido um sentimento desse que sinto por essa garota, por nenhum garoto que conheci antes…
    Eu vou completar 16 anos ainda, e ela é mais nova que eu. Obviamente ainda dependo dos meus pais (Que são preconceituosos… x.x) e todas as minhas amigas são hétero e ainda não tive coragem de sair do armário. Tenho ninguém com quem falar a respeito e estou pirando.
    Alguma dica do que tenho de fazer? Qualquer comentário auxiliando eu agradeço. :/
    (P.S: Amo de paixão o Blog, vocês arrasam! <3 )

  2. Maria… Acho que o importante é você se preocupar apenas em estar com alguém de quem você goste e que te faça bem. Quanto a só sentir atração por mulheres, você vai descobrir isso com o tempo, com as experiências. Preocupe-se apenas em ser feliz 😉
    beijos

  3. a 8 meses estou me relacionando com uma mulher, e estou apaixonadíssima,ela é lésbica assumida e eu nunca me tinha relacionado com mulher na minha vida, quero saber se corro o risco de so me sentir atraída por mulher é se so tbem uma lésbica?

  4. Obrigado, pela dica…mas ainda nao consigo resolver esse dilema interno…

  5. Meninas, esse blo de vocês é muito bacana. Permite conversar e se conhecer. Td bem que não sou lésbica, sou um homem e gay e esse tipo de assunto carece um pouco dentro do universo masculino gay.

    Eu sou um cara discreto, 31 anos, malho, sou paquerado por mulheres, trabalho em um ambiente masculino, onde quase ninguém sabe de mim. Acontece que moro com um homem, mais velho q eu uns 10 anos, e vivemos mentindo, com aquela historia de primos. Isso la se vai 7 anos (Sinto q desse ano ñ passa mais, ta brabo rs).

    Na verdade eu ñ sou abertamente assumido. Meus pais me aceitam, então foda-se o mundo né ? Tem pessoas por exemplo que desconfiam, pelo fato de eu morar com ele ainda, e se afastaram. Doi muito as pessoas sumirem do nada, so por preconceito. Como se todo gay fosse dar em cima de heteros. É brabo viu ?

  6. Gente,
    vocês conhecem alguma boate lésbica no Rio de Janeiro? Estou também nessa dúvida entre ser ou não ser e decidi que o melhor jeito de descobrir é ficando com uma garota para saber o que vou sentir.

  7. Então… Parabéns pelo post , ficou muito bom e eu me identifiquei mt com ele, é a primeira vez que tô desabafando sobre isso, ando muuuuito confusa sobre isso. Tenho 22 anos e faz um tempo que não namoro ninguém por conta dessa duvida que ta me deixando doida, e é bom saber que existem outras meninas passando pela mesma coisa que eu, isso faz com que eu tome coragem pra desabafar , nunca na minha vida falei sobre isso pra ninguém e tá dificil pq a minha família e muito tradicional :/ e se eu um dia tentar dizer oque se passa na minha cabeça , todos irão surtar. Muita gente chega em mim e pergunta pq eu não tô namorando, minha desculpa como sempre é falar que não tenho tempo pra isso ahusavusa tenso. Eu tô surtando gente U.u kkkk nunca beijei uma guria , maaaaaas tenho muita curiosidade, e eu sei que um dia tenho que fazer isso pra poder começar a dar um rumo na minha vida. Por isso tô aqui pra pedir um help o/ quero conversar com vcs e fazer perguntas sei lá. Fica aqui meu email pra contato jessica_sillva@hotmail.com.br

  8. Olha, para mim tudo também começou sentindo atração e não conseguindo tirar da cabeça uma mulher que eu sabia ser lésbica. depois, vi que essa atração por ela era a minha atração por me descobrir em si. Passei a falar com assumidas e acabei conhecendo uma pessoa incrível, me apaixonando e vivendo uma relação maravilhosa.

  9. Nossa, passei por essa situação o ano passado. Em 2011, já com 30 anos e tendo sempre namorado com homens, me permiti superar meus medos e acabei me envolvendo com uma mulher. Foi um misto de emoções, medos, dúvidas, angústias. Tudo escondido da família e dos amigos – essa é realmente a parte mais difícil. Sofri muito e ainda sofro. Mas também cresci muito. Tive um relacionamento que durou um ano (acabou faz um mês porque eu precisei de um tempo para me aceitar, entender tudo o que tinha acontecido, enfim). De qualquer forma, apesar de todo sofrimento, foi ótimo me relacionar, me permitir, sentir. Tive sorte de ter ao lado uma pessoa incrível que me apoiou e entendeu muito. Até hoje ainda tenho recaídas com ela e medo de magoá-la com minhas inseguranças e indecisões. Adorei o texto, a verdade é que me sinto muito mais leve deixando as coisas acontecerem, sem pressões para ser ou não ser, apenas seguindo meu coração. É isso que temos que buscar, respeitar a nossa verdade e amor.

  10. Mell olha nao perde tempo nao vai e se declara pra ela.
    Sabe na minha vida passei anos querendo ser o que eu nunca fui “a filhinha perfeita da mamae”.
    E o que eu ganhei com isso: Um casamento infeliz porque aos 39 anos eu percebi que ficar com homens nao me levara ha lugar algum. Desde a adolecencia recebi sinais de outras garotas que eu era lesbica mais eu nunca quiz ver ou aceitar isto. Sabe eu acho assim que deve se viver o aqui e agora porque o tempo amiga escorre por entre os dedos da gente. Quando a gente percebe ja era. Eu perdi tanto tempo para saber de uma coisa que estava escrito na minha testa. Eu nunca gostei de me acanhar para homens. Se eles se enteressaram por min foi so da parte deles.
    O mais engracado de tudo todos os homens que eu me apaixonei eram gays og com jeitos femininos, faz sentido. Agora pra ti fica bem facil: Siga o teu coracao.
    Eu vou deixar um endereco do Youtube com uma musica que eu considero linda, se chama A good heart(um bom coracao) do cantor dos anos 80 Fergal Sharkey ela e composta pela Maria Mckee.
    http://www.youtube.com/watch?v=8Z2qFTbyyOQ
    Fala dos riscos da escolha de um amor. Traducao:
    http://letras.mus.br/sharkey-feargal/35976/traducao.html
    P.S. Peco desculpas pelo meu portugues um pouco errado mais eu morro em outro pais ha mai de 17 anos.
    Um abraco e boa sorte.

  11. Eu me identifiquei muito com esse post.
    Pra mim foi/está sendo bem isso, você entra na faculdade, faz ótimas amizades com homossexuais, super aceita eles, e na sua hora… TÃDAN! É super difícil.
    Eu sempre fui muito aberta, e sempre defendia quando conservadores começavam a falar (mal) sobre o assunto.
    Sempre namorei homens (como estou no momento), e beijei 1 amiga há 4 anos atras (tenho 22) mas nunca passou disso.
    De um ano pra cá, estou tendo vontades de ficar com meninas, e são meninas muito específicas (seria porque estou identificando “o meu tipo”?) Não sei…
    Mas há 2 meses comecei a conversar com uma garota da minha universidade e ficamos bem próximas (sim, rolou, mesmo ela namorando e eu também…)
    Nesse meio tempo a namorada dela ficou sabendo, e elas terminaram… O que fez ela se aproximar ainda mais de mim e querer continuar.
    Agora, é que está batendo aquela dúvida cruel do E AGORA?
    Está sendo bem difícil, por eu ter que terminar um relacionamento de 2 anos, com uma pessoa que eu gosto, (embora ter feito tudo errado, mas eu acho que eu PRECISAVA disso, por mim, pra saber o que eu sentia em relação a isso, afinal foi um ano inteiro procrastinando esse desejo).
    Na verdade, eu sei o que devo fazer, mas é bem difícil.

    Obrigada por ter esse post, que me ajudou, como deve ter ajudado muitas outras meninas.

  12. Gatinhas, estou em um dilema…sera?!ai ai eterna confusao emocional, entao o que acontece comigo…posso desabafar?la vai rs…ja que nao posso contar pra ng fisicamente…que seja virtualmente…entao sempre tive atraçoes por meninas…mas era algo controlado…achava bonita apenas…mas sempre me envolvi com meninos…foram periodos sabe…alguns me sentia mais atraida do que outros…talvez estivesse tentando matar isso dentro de mim…nao sei ao certo o que foi, mas vivi sempre namorando algum menino…me casei…tive um filho lindo….me separei…sempre fui muito intensa no meus relacionamentos…mas homens sao homens…enfim estou ainda nesse processo de separação dele..tem 5 meses apenas…mais ja algum tempo tenho tido atraçoes por meninas desmedidas…sonho quase toda a noite com uma colega de trabalho que sei que é gay assumida…ja tentei me aproximar dela mas nao consigo…nao sei se ela nao gosta do meu tipo…ou é comprometida…mas esta virando uma obsessao…sonhar quase todas as noites com ela…nao sei..tenho medo de me declarar..pq nao temos muita intimidade…mas ao mesmo tempo sofro segurando isso…o que voces acham?gostaria de ter uma opinião ja que nao posso falar com ninguem sobre isso…

  13. Comigo foi exatamente o mesmo, sempre senti algo além de amizade pelas amigas de infância ñ que eu estivesse amando, eu era uma criança, mas aquela atração diferente sempre existiu. Não pirei qnd descobri e ñ foi difícil assumir pra mim mesma, na verdade foi libertador já tive namorados e ñ me sentia nem um pouco à vontade com eles, ñ sentia a mesma atração que que havia pelas garotas.O difícil mesmo é a família que ñ aceita de forma alguma, isso sim tá sendo uma barra,eles gritam comigo, me ameaçam e não tenho a chance nem mesmo de falar.. me sinto triste pq ñ escolhi isso, simplesmente sou assim e sou feliz por ser assim.

  14. “Não me aceito, mas me respeito.” A frase que sempre digo para mim mesma. Já errei muito em relação a isso e não quero me assumir. Sou ótima para dar conselhos pros outras, mas não consigo resolver esse problema. A pior parte é se aceitar. A melhor é perceber que existem muitas pessoas como eu e vc. Sugiro que façam uma coluna para as/os não assumidos, escrita por não assumidos (para ser mais real ). 😉 As colunas de não assumidos de hoje são horríveis! Tenho certeza que com vcs, será a melhor coluna. Bjs.

  15. Pra mim a parte mais difícil é ter que se assumir pra alguém que vc não conhece direito, o que foi a minha situação. Eu gostava de uma menina, ela era mas eu tinha medo de me assumir até que um dia eu mandei um foda-se e fui atrás dela e posso dizer que foi uma das melhores coisas que eu já fiz.

  16. Estou na fase: respira para não enlouquecer; dentro de mim sei que gosto de mulher de um modo diferente, não sei destinguir se sou Bi ou Lez,no momento estou “apaixonada” por uma amiga que é Bi, por mais que ela dê inderetas bem diretas que está afim de mim, ainda não crei coragem para experimentar,TEMPO é tudo e estou super ciente disso. Tudo esse processo é chato,doí muito, insônias me dominam, o medo, a disconfiança, inseguraça falam muiiito mais alto… Cautela e paciencia é a melhor pedida do memento (haha). Desejo sorte e sucesso a todas. obs: Sapatomica sempre arrasando !

  17. Estou a pouco tempo passando por essa fase, o auto-conhecimento e aceitamento, é difícil, porém não impossível, busquei ajuda com pessoas do meio, assisti filmes, seriados, li livros, explorei a internet para me entender, apesar de já ter a certeza do que eu queria, tenho 42 anos e somente agora me assumi como homossexual, me sinto bem mais livre e feliz!!!

  18. Quando eu descobri que eu gostava de uma garota fique confusa e comecei a assisti mtos filmes e series videos do YT, e entendi a normalidade de ser homo.E quando tudo se esclareceu e parece que eu pude finalmente ter a liberdade de pensar sem ter vergonha de mim mesma e dos meus pensamentos tipo ‘nossa que gostosa!” ou ” que mulher linda’ antes eu pensava isso mas não admitia que sentia atração ou talvez nem sabia. O pior julgador e preconceituoso é o que esta dentro de nossos pensamentos e quando você enfrenta ele todos os que vem de fora são menores e enfrentamos sem medo.

  19. Tempo. Tá aí uma coisa engraçada. Ele passa e você percebe que coisas boas voltam a acontecer quando um longo periodo ruim se vai, mas na maioria das vezes, na minha experiência, ele não influência de forma positiva; muito pelo contrario. Acaba tornando menos suportavel lidar com questões tão conflituosas como o seu eu e as suas relações, sejam elas amorosas ou não. É uma dicotomia peculiar perceber que você consegue lidar bem com questões relacionadas a sexualidade e gênero mas, não consegue aplica-las na sua vida prática. Eu sou pesquisadora, e entre muitas coisas estudo questões de gênero com recortes sobre homoxessualismo, e os processos de empoderamento dessa camada social. Eu me defino enquanto bisexual e vivo isso na prática, em alguns ambientes. No meu ambiente de trabalho, nos meus ciclos de amizade isso é publico e nótorio, mas em casa, com a minha familia, isso é tabu. E enfrento todos os dias o problema de não agir livremente; porque acho complicado essa coisa de “se assumir”. Nem um hetero precisa dizer pra ninguém que é hetero. É complicado e triste demais que ainda vivamos numa sociedade higienista, que aplica constantemente um padrão de heteronormatividade. Então eu fico pensando se haverá algum momento e quanto mais tempo levará pra acontecer tal momento no qual possamos viver livrimente a beleza de ser quem somos.
    Ps.: Gosto muito desse site. Parabéns a todxs!

  20. Sempre me considerei heterossexual, mas desde os 13 quando dei meu primeiro também beijava meninas, nunca soube definir muito bem de qual dos dois gostava mais, e honestamente nem me preocupava. Naturalmente sempre me relacionei mais com homens por ser o “normal” o “certo”, mas há 3 anos só tenho me relacionado com mulheres, e não só senti mais tesão, mais liberdade, me senti mais a vontade comigo mesma e com a vida. Hoje aos 22, ainda estou descobrindo a minha sexualidade – não sei dizer ao certo se gosto de meninos e meninas ou apenas meninas. É realmente difícil, angustiante e doloroso principalmente em relação a família, meus amigos sempre aceitaram muito bem – mesmo que nem sempre eu mesma aceite. Mas cada um tem seu tempo de descobertas não apenas relacionado a sexualidade mas com tudo na vida. Tenho paciência e tento me focar no crescimento pessoal que essa experiência pode me trazer,sei que no momento certo tudo se encaixa e vida se encarrega de trazer a leveza necessária que todos precisamos. 🙂

  21. Passei exatamente pelo mesmo processo.

    E depois de ter me aceitado ainda demorei bastante para ter a primeira experiência. Posso dizer que ainda to ganhando confiança, mas todo esse processo me ajudou a saber quem sou eu e isso me acalma.

  22. Quando descobri que sentia atração por meninas não pirei. Desde de pequena sabia que havia algo diferente em mim, meio chichê ne?! Mas foi verdade, e acho que esse foi o motivo de não ter pirado mas pra mim a parte mais difícil foi saber “o que eu faço agora?” Mas ai é só com o tempo.

  23. Descobri que sentia algo diferente na infância, mas foi na adolescência que tudo ficou mais claro,não queria me aceitar tinha vergonha e achava abominável. Sai com alguns meninos para ver se eu mudava,mas não adiantou pois minha maior felicidade era quando passava as tarde com minha melhor amiga do colégio. Hoje adulta sei que amo diferente do convencional e me aceito e estou feliz com minha sexualidade, ainda não me assumi totalmente mas tudo tem seu tempo.

  24. BEM, EU NEM SEI POR ONDE COMEÇAR!! CONFESSO QUE É DOLOROSO PRA ME EM SABER QUE EU SOU GAY E ISSO SIMPLESMENTE ACONTECEU, ACONTECEU TARDE, PORÉM, ACONTECEU E EU Ñ ESCOLHI ESSA OPÇÃO. E O MAIS DOLOROSO DE TUDO É Ñ PODER CONTAR PARA MINHA FAMÍLIA, Ñ SEI QUAL SERIA A REAÇÃO DELES, NEM SEI SE IRIAM ACEITAR, ACHO Q FICARIAM COM DESGOSTO E ENVERGONHADOS. EU ESTOU NAMORANDO UMA GURIA, E É MUITO DIFICIL PRA NÓS TERMOS Q ESCONDER DA FAMILIA É TUDO COMPLICADO E DIFICIL PRA NÓS, AS VEZES ACHO Q VOU PIRAR…

  25. Do momento em que comecei a suspeitar da minha sexualidade até me aceitar demorou quase cinco anos, e ainda assim foi bem doloroso.
    Concordo que se aceitar é a parte mais difícil. Para conseguir isso eu fiz exatamente o que você disse, li bastante, assisti vídeos, filmes, entrei em blogs lésbicos… Saber que você não está sozinha ajuda muito.

Os comentários estão desativados.